A alegria do caminho partilhado

Recordo ter ouvido, numa formação sobre voluntariado há já vários anos, que não há relação de ajuda que não comece sempre por uma certa atitude de alguma “superioridade”. Por mais que nos alertem contra isso, por mais que leiamos textos ou escutemos testemunhos, começamos quase sempre o empenho social com uma certa perceção de que, no fundo, sabemos e fazemos melhor do que aqueles a quem queremos ajudar. Lemos as suas necessidades, pensamos nas soluções para os seus problemas, e esforçamo-nos por as concretizar muitas vezes sem eles. Com a melhor das boas vontades, mas sem cair na conta de que no fundo estamos a secundarizar quem deveria ser o primeiro agente do seu próprio crescimento.

É esta uma das questões a que temos tentado dar crescente atenção no Centro, e a que a palavra “capacitação” faz referência. Começámos no início do ano uma nova atividade chamada “Hora do Conto”, em que são os utentes a escolher a história a debater, e a liderar, acompanhados, a conversa. As formações querem ser cada vez mais “dadoras de ferramentas”, e os “Passos positivos” (referida mais abaixo) foi uma bonita “injeção de confiança” a quem a frequentou. Temos tido a alegria de receber quase todas as semanas novos voluntários, e a reunião que tivemos sobre o Plano de Atividades para 2015 (também objeto de notícia) foi outro bom momento de envolvimento de todos. E o entusiasmo e a comunhão que se vão gerando parecem indicar que o caminho é mesmo por aqui.

Sobre isto, tem graça pensar no próprio Jesus, e como também ele não quis deixar de envolver outros na sua missão. Reuniu um grupo de aprendizes a quem foi pacientemente formando e com quem partilhava vivências e dúvidas. As diversas curas que fez tinham sempre uma “dimensão física”, sem dúvida, mas o mais importante era sempre a “dimensão espiritual”, dando a quem curava confiança e desejo de voltar, com ânimo, ao caminho. Talvez seja mais rápido, e mais tentador, sermos nós a fazer sozinhos e “para os outros”. Mas é o caminho feito em conjunto, “com os outros”, que mais perdura e mais alegria traz. Obrigado a todos os que de alguma forma (voluntários, doadores, amigos) colaboram com este projeto! E que para todos este seja mais um ano de crescimento na capacidade de percorrermos, lado a lado com quem mais precisa, o caminho da vida.

P. Filipe Martins sj