Construir pontes

12369096_852797584841686_2891646087733719878_nChegamos ao final de mais um ano, e à última edição da Newsletter de 2015. O mais habitual é dar destaque no editorial às notícias do Centro, o que por cá se vai fazendo devido ao empenho de tantos (equipa e utentes, voluntários e doadores, etc.). Mas a Newsletter tem também, desde a primeira hora, uma secção “Atenção às margens”, onde vamos apresentando notícias sobre as “dores” do mundo, a pobreza, a imigração forçada e tantas outras dificuldades. Elas só mudarão se fizermos algo, e só faremos algo se as conhecermos.

Grande é a tentação, como tem alertado o Papa Francisco, de cada um se fechar e viver tranquilo no seu “mundo” mais próximo. À partida não haveria mal nisso, e ainda bem que a muitos a vida corre serena. Mas essa atitude torna-se insuficiente, quando ao lado há quem tenha vidas difíceis, quando na mesma cidade, país e mundo, persistem a pobreza, a injustiça e as desigualdades sociais. Daqui nasce o chamamento a “construir pontes”, de cada um sair da sua zona de conforto e “dar a mão”, em gestos individuais (em direção ao conhecido ou ao sem-abrigo mais isolado) e coletivos (num voluntariado ou noutra forma de participação cívica organizada). É um chamamento provavelmente pouco espontâneo para a nossa comum natureza humana, mas não por isso menos necessário para a construção do nosso comum mundo fraterno.

O Centro São Cirilo, como tantas outras instituições, nasceu e quer permanecer atento a este chamamento, de ajudar, capacitar e caminhar ao lado de quem vive nestas situações difíceis. São aliás contagiantes a esperança e empenho de muitas destas pessoas, como mostra mais uma reportagem sobre o trabalho do Centro na RTP (aqui). Que no novo ano possamos, como instituição e como pessoas individuais, continuar a crescer na capacidade de “construir pontes”, criando mais ligações e partilha entre pessoas e mundos diferentes. E no seu caso pessoal, que pontes pressente o chamamento a construir no começo deste novo ano? Que o Espírito deste tempo de Natal nos dê luz para o perceber, e força para o pôr em prática. E votos de bom começo de 2016 para todos!

 P. Filipe Martins sj