rTnKpzdEcQuanto mais globalizado se torna o nosso mundo, tanto mais relevante se parece tornar a questão da “interculturalidade”. Quanto mais seres humanos de diferentes regiões e proveniências entram em contacto uns com os outros, tanto mais importante se torna saber respeitar e valorizar cada cultura humana (incluindo, certamente, também a nossa). E tanto mais importante se torna aprendermos a construir pontes entre as diferentes culturas.

Nesse sentido, a questão dos migrantes e dos refugiados é um tema bem atual. Foi esse, precisamente, o tema escolhido pelo Papa Francisco para a sua mensagem do dia mundial da paz deste ano (1 de Janeiro). O Papa chama a atenção para o facto de existirem existem atualmente no mundo nada menos do que 250 milhões de migrantes (dos quais 22 milhões e meio são refugiados).

Propõe então o Papa que, no decurso deste ano, possam ser definidos e aprovados, por parte das Nações Unidas, dois pactos globais: um pacto para os refugiados e um outro pacto distinto para as migrações (que se querem seguras, ordenadas e regulares). E é proposta uma estratégia que combine ações que são descritas por quatro verbos: “acolher”, “proteger”, “promover” e “integrar. São verbos que vale a pena termos presente. Na verdade, é em torno de linhas orientadoras como essas que o Centro São Cirilo, na sua pequena escala, procura desenvolver a sua atividade.

Luís Ferreira do Amaral s.j.