Month: October 2016

Editorial

Planear, envolver e construir em comum

editorial-out2016-fotoFoi neste mês de Outubro que demos início ao já previsto processo de Planeamento Estratégico do Centro. Já houve vários encontros, com cada um dos grupos que fazem parte da vida da casa: voluntários e utentes, equipa e corpos sociais, e até um conjunto de “pessoas de fora”, a quem pedimos darem-nos a sua visão sobre o nosso trabalho.

O planeamento estratégico destina-se, em primeiro lugar, a pensar o futuro do Centro, de forma a continuar a servir, mais e melhor, quem mais precisa. Alguém dizia que o mundo muda tão depressa que é hoje difícil fazer previsões a longo prazo. É bem verdade! Mas mesmo sem deixar de ter abertura às mudanças, ajuda termos um horizonte e umas metas que orientem a ação do dia-a-dia. Pois nem sempre o urgente corresponde ao importante (e ainda menos quando, como no nosso caso, se quer “capacitar” e “dar a cana para o amanhã”, em vez de só o “peixe para hoje”).

A segunda dimensão deste tipo de processos é a do envolvimento de todos, sem excluir ninguém, e onde cada opinião conta. Numa dinâmica assim não há nunca visões certas ou erradas, como temia outro dos participantes. O que há é a partilha de opiniões, intuições e dúvidas, cada uma a partir do ponto onde cada pessoa se encontra: como diz a sabedoria popular, “um ponto de vista é sempre a vista de um ponto”. E por isso ninguém é dispensável ou está a mais, mesmo quando acha que “não tenho nada de importante para dizer”. E têm-se confirmado que cada pessoa aporta sempre algo de único e de particular (porque é único e particular!), que complementa e enriquece o todo.

E o terceiro elemento característico deste planeamento tem sido o fato de o fazermos em comum, nos encontros muitas partilhas têm “puxado” pelas seguintes, sugerindo novas ideias e propostas. Talvez a habitual “a minha liberdade termina onde começa a do outro” não seja toda a verdade, e também aconteça que “a minha liberdade começa onde começa a do outro”. Pois estas semanas têm confirmado como várias liberdades, quando orientadas para o bem comum, se estimulam, se ajudam e crescem mutuamente.

No presente cuidar já do futuro, ouvir a todos e não deixar ninguém de fora, construir e avançar em comum: esta tem sido para já a experiência deste enriquecedor processo. Semelhante, no fundo, à experiência da vida. Obrigado a tantos pela presença, o Planeamento segue no próximo mês…

P. Filipe Martins sj

Breves do Centro

1. Encontro Anual de Voluntários

_dsc0048Como vem sendo habitual no início das atividades anuais, realizou-se, no dia 27 de Setembro, a reunião/convívio dos voluntários do Centro. Trata-se de uma iniciativa com repercussões muito positivas, pois, além do conhecimento mútuo, permite que cada participante transmita as suas impressões e compromisso no sector em que colabora.

A directora e as técnicas responsáveis de cada sector do Centro descreveram e caraterizaram o tipo de áreas de voluntariado, bem como a população abrangida. Foi muito enriquecedora esta apresentação já que permitiu uma perceção global do funcionamento e serviços do Centro Comunitário São Cirilo.

Seguidamente decorreu, para mim a parte mais sugestiva e interpretativa do encontro, a apresentação do Projeto “Linha da Frente” da PAR (Plataforma de Apoio aos Refugiados). Foram apresentadas e documentadas imagens muito impressivas e comoventes do trabalho desenvolvido com contato direto com os refugiados na ilha grega de Lesbos. Sem dúvida, todos os presentes se sentiram impressionados e interpelados, perante este tão grande drama. E que chocante contraste: de um lado, a presença destes voluntários, que suscitam esperança; por outro, a insensibilidade e xenofobia de tantos cidadãos, que gritam contra o acolhimento de refugiados, assim como a escandalosa e cruel atitude de políticos europeus que mandam erguer muros nas fronteiras.

A terminar pudemos continuar o convívio num agradável e bem apresentado lanche. Porque não repetir esta reunião/encontro no início de cada trimestre?

Manuel Lopes| Professor Voluntário de Português

 

2. Planeamento Estratégico

O Centro Comunitário São Cirilo temimg_20161017_112426 hoje processos e operações mais consolidados sendo esta uma fase propícia para ver mais longe e pensar os potenciais caminhos futuros que o Centro poderá traçar.

O processo baseia-se no envolvimento e mobilização dos vários intervenientes ligados a esta casa: voluntários, utentes, equipa, corpos sociais e atores externos, que pensarão a missão social e as futuras prioridades do Centro. Existirão múltiplas reuniões com estas pessoas que levantarão e afinarão a estratégia para o futuro, num processo orientado por uma pequena equipa da Direção, liderada por Joaquim Azevedo e da qual fazem parte Jorge Mayer e o P. Filipe Martins.

Espera-se que o processo esteja concluído até ao final do ano e os resultados, para os quais todos contribuiram, serão partilhados por todos.

                                      Jorge Mayer| Membro da Direção do Centro

 

3. Serão “Cantos do Mundo”

No dia 19 de Outubro comemorou-se no Centro o Dia Internacional da Erradievento-abertura-do-ano-finalcação da Pobreza com a Festa da Partilha. Tivemos missa, jantar partilhado e para encerrar um serão de Cantos do Mundo.

A festa esteve muito bem organizada. Um ambiente informal, com muita diversidade em tudo: na decoração, nos países presentes e na comida. Este tipo de festa faz-me lembrar o meu país, as cores, as canções e a própria comunicação. Gostei de todas as atuações do Serão “Cantos do Mundo”, mas fiquei muito emocionada com o fado, o cantor tinha uma voz fantástica. Ficou-me no ouvido.

Durante a festa “parece que não senti nada, pois eu queria era dançar, estava concentrada na dança”…mas no dia seguinte, quando olhei para as fotos e vi o filme sobre a dança do meu país, parecia que eu estava completamente “possuída” pela música, que me obrigava a soltar o meu corpo e a “voar para o meu país”. Fui prastro (pássaro) por breves momentos. Simplesmente adorei participar e fazer parte desta casa. É isso, aqui no Centro sentimo-nos em casa.

                                                                      Deusa Sebastião| Guiné Bissau

Vídeo do Mês

“…aprendi uma coisa nova. A pôr uma mesa bem posta. Uma mesa, mesa do dia-a-dia, mesa de festa, aprendi isso. O dia de amanhã, ah depende das casas em que as pessoas trabalham, mesmo para o currículo, também é bom. Eu acho que é isso.” – Isa Brito

A Formação em Serviço Doméstico foi criada pela necessidade de treino de competências e com o objetivo de uma melhor preparação para o mercado de trabalho em serviço doméstico. A formação esteve dividida em quatro módulos: Gestão de Recursos Sociais e Pessoais; Tratamento de Roupa; Limpeza Geral; e Cozinha.

Atenção às Margens

Links de Interesse

385 milhões de crianças no mundo vivem em pobreza extrema

Promover o Porto como destino turístico através do olhar dos sem-abrigo

Quem perdeu mais durante a crise? Os mais pobres e os jovens qualificados

No próximo mês acontece…

05 e 06.Nov – Campanha de recolha de alimentos no Pingo Doce da Av. Boavista (Voluntários e amigos)

08.Nov – Encontro da 2ª fase do Planeamento Estratégico

09.Nov – Formação “Relações Humanas e Gestão de Conflitos” (Utentes)

16.Nov – Almoço Temático sobre o Banghadesh (Utentes e técnicos)

23.Nov – Formação “Espiritualidade e Religiões” (Utentes)

28.Nov – Assembleia Geral do Centro São Cirilo

© 2018 Centro Comunitário São Cirilo