“…perceber que eu podia dar uma oportunidade a mim mesma novamente, que a vida não estava perdida ainda, que eu podia voltar a ser quem eu era…”

Neste mês, ficamos a conhecer a história da Tatiane, uma mulher que reconhece que ainda há esperança e caminho a ser feito todos os dias.