Abayomi, “encontro precioso”

Narra a história queditorial-imageme as mães africanas, encarceradas nos navios negreiros em direcção ao Brasil, faziam pequenas bonecas negras a partir de tiras de tecido rasgadas das suas saias, para que os filhos pudessem brincar e sentir-se protegidos. A estas bonecas davam o nome de “abayomi”, que na língua iorubá significa “encontro precioso”. São bonecas muito bonitas, na sua simplicidade e significado, e foram, da “banquinha do Centro”, dos artigos com maior saída na recente Venda de Natal*.

E é curioso constatar que estas bonecas, feitas com panos e nós muito simples, representam também o espírito de Natal que nos foi dado viver estes dias. Do Lanche das Atividades à Venda de Natal e ao almoço no dia 23, este foi mês de muitos “encontros preciosos”, com a alegria como nota constante. Do encontro nasce sempre alegria, e por isso dizia a Madre Teresa que não há maior tristeza do que a solidão. A alegria pede também ser partilhada, não é essa sempre a primeira reação quando algo de bom nos acontece, o “ir contar a alguém”? E “pobre” é aquele que não tem a quem. Por isso Deus leva e chama sempre, no Natal e na experiência de fé, à comunhão e ao encontro, onde ninguém fica de fora. Que estes tenham sido dias de “encontro” alegre e acolhedor. E que o “espírito do encontro” não fique só pelo Natal, mas possa entrar por 2017 fora. Bom ano novo para todos!

P. Filipe sj

 

* Teremos algumas à venda no próximo Concerto dos Meninos do Coro, no Dia de Reis, em benefício do Centro.